Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Bolsonaro promete revelar lista de países que compram madeira ilegal do Brasil
17/11/2020 12:06 em Política

Gabriela Doria - 17/11/2020 11h41 | atualizado em 17/11/2020 11h45

Em reação aos ataques às políticas ambientais do Brasil, o presidente Jair Bolsonaro declarou, nesta terça-feira (17), durante a cúpula virtual do Brics, que irá revelar nos próximos dias uma lista contendo o nome de países que compram madeira de origem ilegal do Brasil. De acordo com Bolsonaro, muitos das nações que criticam o Brasil se beneficiam da exploração ilegal da madeira do país. – Estaremos revelando nos próximos dias países que têm importado madeira extraída de forma ilegal da Amazônia. E alguns desses países são os mais severos críticos ao meu governo no tocante a essa região amazônica. Creio que depois dessa manifestação, que interessa a todos, porque não dizer, no mundo, essa prática diminuirá em muito – avaliou o presidente.

Leia também

1 No Oriente Médio, secretário dos EUA defende liberdade religiosa
2 Em discurso na Cúpula do BRICS, Bolsonaro pede reforma na OMS
3 Eleições: Bolsonaro volta a pedir impressão do voto no Brasil
4 Barroso pede à PF que investigue ataque ao TSE no dia da eleição
5 Kassio interrompe sessão sobre direito de Bolsonaro de bloquear

Bolsonaro disse ainda que o país está tomando medidas para reduzir a emissão de carbonos na atmosfera, considerado um dos principais causadores do aquecimento global.

– Estamos comprometidos, também com ações, no tocante à emissão de carbono. Um assunto muito particular do Brasil, tendo em vista os injustificáveis ataques que recebemos tocante à nossa região amazônica. O discurso de Bolsonaro também tratou da necessidade de uma reforma em órgãos internacionais, além de um apelo para que os países que compõem o Brics intercedam para que o Brasil tenha um assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Além do Brasil, participam da cúpula de outras quatro potenciais mundiais: Rússia, China, Índia e África do Sul.

Fonte: Pleno news

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!